Com o tempo a gente vai aprendendo que não importa aonde se vai. O que importa mesmo é quando se vai.

Os fotógrafos e os escritores são os que melhor sabem disso. Os primeiros porque sabem o quanto a luz pode variar em poucas horas, que você pode tentar repetir uma foto no mesmo local, na mesma época do ano, e ela nunca vai ser a mesma. Já os escritores porque a literatura é a grande arte do tempo. Um romance leva meses para ser escrito, semanas para ser lido. O grande escritor sabe sobretudo quando colocar seus personagens.

Em Veneza o que resta é a noite, quando grande parte da multidão deixa a cidade no fim do dia. Uma caminhada noturna em Veneza é uma das experiências urbanas mais interessantes que pode existir. É quando é possível realmente se relacionar com a cidade. Os detalhes nas fachadas, o desenho dos “campi”, os sons das águas, os gatos, tudo parece finalmente existir e tomar sentido, como se estivessem esperando por esse momento.

Cada cidade são muitas.